Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Running VS Science

You're a product of science, you run and running is a gift of science. Um blog científico cheio de curiosidades sobre a corrida, conselhos para melhorar a performance e entrevistas fenomenais a casos reais de pessoas comuns que venceram na corrida.

08
Jan17

Maratona na Meia Idade - Adaptações do miocárdio

Nádia Santos

 

15822932_580179628843296_2419248430949182644_n.jpg

 

A popularidade da prova "rainha de estrada", a turbulenta Maratona (42km), tem vindo a crescer nos últimos anos, nomeadamente no que toca à participação de indíviduos dentro da meia-idade. Isto pode dever-se ao facto de que, cada vez mais, a população mais velha começa a correr à procura de hábitos mais saudáveis, tornando-se em consequência uns apaixonados pela corrida.

 

De forma a concluirem a prova com segurança, estes corredores amadores, submetem-se a treinos intensos pré-prova de forma a alcançarem o tão desejado sonho. A questão é: Será que o coração aguenta?

Várias documentações científicas já referiram alterações no miocárdio (músculo cardíaco) em corredores de elite, nomeadamente alargamento da câmara cardíaca e espessamento das paredes do mesmo. Um estudo de 2015 realizado por Jodi L. Zilinski e os seus colaboradores, quis entender se estas alterações do miocárdio poderiam ocorrer em homens da meia-idade durante os treinos de preparação para uma maratona. 

 

Em que consistiu o estudo? 

 

Foram selecionados, para este estudo, homens entre os 35 e os 65 anos que não tivessem DE TODO, historial de uma das seguintes doenças: (1) doença arterial coronariana; (2) disfunção do ventrículo esquerdo; (3) cardiomiopatia genética; (4) doença cardíaca valvular. 

 

Também foram selecionados dois tipos de corredores: experientes maratonistas (tendo participado num total de 5 maratonas ou mais) e não experientes maratonistas (tendo participado não mais do que 5 maratonas).

 

Cada participante recebeu um programa de treinos, que envolvia a cada semana 3-4 corridas básicas entre os 6.4-12.9 km e 1 corrida de longa distância de 32.2-35.4 km. Cada participante foi acompanhado por um treinador com mais de 20 anos de experiência e também tinham que avaliar cada corrida dentro duma determinada escala de 1-5 quanto ao nível de dificuldade. 

 

O que foi avaliado?

 

Cada participante foi então avaliado para um teste cardiopulmonar; uma ecocardiografia e para estudos bioquímicos.

 

Teste cardiopulmonar

 

O teste consistia (no fim do treinamento para a maratona e após 24h de descanso total por parte dos atletas), em colocar os participantes numa passadeira a aquecer 10min numa velocidade de 8km/h e seguidamente ir aumentando 0.5% dessa mesma velocidade ao longo do tempo até atingirem a exaustão.

Neste teste foram medidos os seguintes parâmetros: consumo de oxigénio; batimento cardíaco; pressão sanguínea e limiar ventilatório. 

 

Ecocardiografia

 

Teste para aceder à estrutura e função do coração.

 

Testes bioquímicos

 

Foram medidos os seguintes parâmetros: perfil lipidico; concentrações de ferro; triglicerídeos; entre outros. Factores de risco cardiovasculares também foram medidos. 

 

O QUE CONCLUÍRAM? 

 

Dos 49 participantes, 45 concluíram o plano de treinos e foram submetidos aos testes.

Dos 4 que não concluíram, deveu-se a lesões musculares e não a problemas cardíacos. 

A idade média era de 48 anos. 

 

O estudo revelou:

(1) Dilatação dos ventrículos

(2) Dilatação da aurícula esquerda

(3) Melhoramento da função diastólica do ventrículo esquerdo (momento em que o sangue é é colectado para o coração)

Estas alterações apresentam várias características benéficas como: melhoramento cardiovascular; diminuição da massa gorda; etc.

 

Para além disso, estudos anteriores feitos em homens acima de 50 anos corredores disseram que estes apresentam maiores concentrações de cálcio nas artérias coronárias, o que diminui o risco de problemas cardiovasculares.

 

coracaovasos.jpg

coracaovasos.jpg

 

 

Desse modo, este estudo conclui que os treinos de preparação para uma maratona em atletas entre os 35-65 anos não só é saudável a nível cardiovascular, como também é efetivo para prevenir problemas no coração.

 

Se tens 50 anos e estás na dúvida de que o teu coração aguenta uma maratona um Running VS Science aconselha-te o seguinte:

- Marca uma consulta com um cardiologista e verifica que não tens historial de problemas cardíacos

- Prepara-te decentemente, com um treino controlado

 

Vamos tratar da saúde do nosso coração? :) 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D