Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Running VS Science

You're a product of science, you run and running is a gift of science. Um blog científico cheio de curiosidades sobre a corrida, conselhos para melhorar a performance e entrevistas fenomenais a casos reais de pessoas comuns que venceram na corrida.

27
Out16

CORRER COM ARRITMIA

Nádia Santos

14681855_551052401756019_4534884928440737079_n.jpg

 

Antes de falarmos da questão da corrida em indivíduos com este distúrbio, convém primeiro perceber o que é realmente a arrítmia cardíaca.

Como o própria nome indica, arrítmia cardíaca advém de ritmo cardíaco anormal. Sabe-se que em média, um batimento cardícado considerado normal, encontra-se num intervalo de 60-100 bpm em repouso, dependendo de vários fatores tais como a idade, o peso, o género, etc. A uma diminuição do ritmo cardíaco (abaixo de 60 bpm) designa-se de bradicardia, enquanto que a um aumento do mesmo (acima de 100 bpm) designa-se de taquicardia.

A origem da arrítmia cardíaca pode advir de diversos fatores, tais como: ansiedade, stress, efeito colateral de medicamentos ou até mais grave como doenças das válvulas cardíacas; hipotireoidismo grave ou doenças cardíacas congénitas... Entre outros...

 

Como saber se tenho arrítmia cardíaca?

 

Bem, primeiro que tudo, como diz o bom e velho ditado, “mais vale prevenir do que remediar” e o ideal seria sempre um exame e aconselhamento médico prévio. De qualquer das formas, sabe-se que existem casos de risco.

Por exemplo, se possuís casos de arrítmia cardíaca na família ou até mesmo se tu próprio já sentiste alguns dos seguintes sintomas: palpitação cardíaca, pulso acelerado, sensação de nó na garganta, fraqueza, tontura, desmaio, cansaço fácil, dor no peito e falta de ar; então convém procurares OBRIGATORIAMENTE aconselhamento médico antes de te iniciares na corrida ou em qualquer outro tipo de exercício cardiovascular.

Os exames podem ser diversos, sendo geralmente o eletrocardiograma dos mais utilizados.

 

Mas e se tiver arrítmia? Posso correr?

 

Isso já é uma questão que apenas o médico te poderá responder. Primeiro, porque obviamente o médico será o profissional que melhor assegura a segurança da nossa vida; segundo porque depende do resultado do teu diagnóstico pois sabe-se que existem dois tipos de arrítmias: benignas e malignas.

Arrítmias benignas: Geralmente as mais comuns! Não alteram a função nem o desempenho do coração, não havendo risco de morte para o indivíduo. Podem ser controladas com medicação e muitas vezes melhoram com o exercício físico inclusive.

Arrítmias malignas: Menos comuns, no entanto pioram com o exercício físico e podem inclusive causar a morte do indivíduo devido por exemplo a um acidente vascular cerebral (AVC).

 

Portanto, se costumas sentir palpitações cardíacas ou alguns dos outros sintomas e te queres iniciar ou progredir na corrida o ideal é procurares um médico cardiologista. Nada como saber qual a gravidade da situação e qual a sua origem e tratamentos possíveis.

 

Relembro também que para corredores com idade acima dos 40 anos, o acompanhamento de um cardiologista é MUITO importante!

 

Corram pela vossa saúde... Não corram para a destruir ;) Consultem o médico! ;)

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D