Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Running VS Science

You are a product of science You run Running is a gift of science Um blog científico cheio de curiosidades sobre a corrida, conselhos para melhorar a performance e entrevistas fenomenais a casos reais de pessoas comuns que venceram na corrida.

26
Nov16

Correr Com Anemia - Os tipos de anemia, testemunhos reais de corredores

Nádia Santos

 

 

 

Slide1 (3).JPG

Depois do sucesso da entrevista da nossa querida Inês Oliveira em #CasosReais - Inês Oliveira, o Running VS Science juntou-se com o Correr com Anemia, num post único sobre os vários tipos de anemia, como conciliar com a corrida e testemunhos reais... 

Para quem não sabe, Dia 26 de Novembro é o Dia da Anemia, sendo esse o motivo de escolha deste Sábado para a publicação deste post.

 

O QUE É A ANEMIA? A CIÊNCIA EXPLICA!

 

Para podermos falar acerca da anemia, temos primeiro que referir que existem vários tipos de anemia, sendo os 3 mais comuns: anemia ferropriva (o caso da Inês); anemia falciforme e talassemia. As três causadas por motivos diferentes... Mas causadoras do mesmo mal: má oxigenação! 

 

Vamos começar por falar um pouco da oxigenação no geral...

 

No nosso sangue possuímos umas determinadas células designadas de hemácias, glóbulos vermelhos ou eritrócitos... Estas, possuem na sua constituição uma proteína muito especial (que já falamos em Correr em altas altitudes) a Hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigénio. Para isso ocorrer, têm que acontecer as seguintes situações:

 

a) A hemoglobina tem que conter na sua estrutura Ferro, uma vez que cada ião Ferro se liga a dois átomos de Oxigénio

b) Tal como em todas as proteínas, esta tem que manter a sua estrutura tridimensional original, caso contrário... Perde a sua função ... 

 

Vamos então agora perceber os vários tipos de anemia.

 

A) Anemia Ferropriva

 

São cerca de 90% dos casos de anemia existentes. Causada pela deficiência de Ferro, a anemia ferropriva priva assim a hemoglobina de se ligar corretamente aos átomos de oxigénio.

As causas podem ser diversas, desde uma alimentação pobre em Ferro, má absorção do ião por parte do organismo, hemorragias, etc.

Os sintomas baseiam-se na fadiga, falta de ar, fraqueza, palidez, tonturas, falta de apetite, entre outros...

 

O tratamento baseia-se na ingestão de comprimidos de sais de Ferro ou em casos extremos de injeção do mesmo via intravenosa ou via muscular. Se a causa for a existência dum parasita, por exemplo, a sua eliminação também é necessária.

 

anemia-ferropriva-750x385.png

 

 

Como correr com anemia ferropriva?

 

Inês (23 anos): " Não podemos querer mais do que o corpo permite, mas podemos (e devemos) lutar contra o cansaço que por norma se tende a sentir quando se tem anemia. Há que arranjar motivação e objetivos a curto e longo prazo e manter o foco. Acima de tudo é importante vigiar os níveis de ferro, tomar suplementação de ferro se o médico prescrever e ter uma alimentação bastante cuidada. De resto, leva-se uma vida absolutamente normal, sem problemas maiores. Motivação e força de vontade são sem dúvida as peças fundamentais para se praticar desporto com anemia. Não se faz mais, faz-se menos. ...Mas, faz-se!"

 

B) Talassemia

 

A talassemia é um tipo de doença hereditária recessiva, isto é: para podermos manifestar a doença temos que receber tanto da nossa mãe como do nosso pai, o gene responsável pela mesma.

É caracterizada por uma redução da síntese proteica duma das cadeias da globina (que dá origem à hemoglobina). Dessa forma, pessoas com talassemia têm problemas quantitativos a nível da hemoglobina. Isto é, baixa % desta proteína. 

Estamos a falar de erros associados no DNA do gene do doente que podem ser causados por deleções de ácidos nucleicos ou mutações (ver na figura seguinte)

 

substituição 1.jpg

deleção 1.jpg

 (2 tipos de mutações: substituição ou deleção)

 

Autorecesiva.png

 (Para manifestar a doença, ambos os pais têm que dar ao filho o gene responsável pela mesma)

 

Os sintomas são geralmente fadiga, fraqueza, crescimento lento, pele pálida ou amarelada; entre outros.

 

 

 

Como correr com talassemia?

 

Marisa (36 anos): " Na corrida noto que a minha evolução nem sempre é constante e gradual, como gostaria, o que por vezes leva a alguma desmotivação. Há dias em que me sinto melhor e até consigo correr durante algum tempo, a um ritmo satisfatório, mas há outros em que me sinto tão cansada e com tantas dores, que nem consigo correr 1 Km. Quando corro com amigos e me perguntam quantos Km vou fazer, respondo sempre que não sei, pois no meu caso, é sempre uma incógnita. O importante é ter sempre em conta os meus limites e não exigir demasiado de mim. Também é essencial o apoio da família e amigos, que puxam por mim e me ajudam a não desistir dos meus objetivos"

 

C) Anemia Falcifome

 

Ao contrário da talassemia que se caracteriza por uma deficiência quantitativa de hemoglobina, na anemia falciforme a deficiência é qualitativa.

Isto é, trata-se duma doença herediária monogénica (basta uma mutação em apenas um gene) também recessiva. Neste caso em particular, o erro associado ao DNA do gene causa produção anormal da hemoglobina que podem polimerizar e deformar as hemácias, tornando-as numa forma espécie de foice e incapacitando-as de fazer corretamente o transporte de oxigénio.

 

Os sintomas são geralmente fadiga, fraqueza, palidez e em casos graves pode haver formação de coágulos devido à aglomeração de hemácias deformadas. 

 

Hemoglobinas_Crédito_Sebastian_Kaulitzki_Shutters

(Diferença das hemácias numa situação de anemia falciforme e numa situação normal) 

 

Joana (17 anos): "Não posso dizer que propriamente corro... Porque a fadiga é demasiado grande. Sinto-me sempre fraca, por isso tento caminhar com corrida intercalda... Os médicos falam do transplante de medula, assim como os meus pais... Mas para já, tenho coragem e continuo a tentar correr intercalada com corrida. Tomo hidroxiuréia com supervisão médica. Vou-me safando, não perco a coragem :)" 

 

Para a anemia falsiforme e talassemia, os cientistas já começam a estudar a terapia génica (terapia a nível genético). Esperemos que estas investigações corram pelo melhor para que todos estes jovens, adultos, crianças possam ter uma vida melhor e até mesmo, vencer no desporto... Vencer na corrida :) 

 

DIA DA ANEMIA - 26 DE NOVEMBRO 

RUNNING VS SCIENCE

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D